quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Alguns meses depois...

Alguns meses depois...

 Ano 2010, o ano que acredito e muito que poderá ser um ano incrível. O ano de 2009 foi marcado por muita experiência e novas descobertas, nem todas excelentes descobertas, mas que me levou a ter noção da magnitude de um trabalho, o qual jamais pensei que faria.

 Confesso que me afastei um pouco da minha família e dos meus grandes amigos, que antes sempre tinha tempo para trocar umas palavras, fazer companhia e acompanhar suas vidas. Mas não deixei em vão. A cada um fiz questão de explicar que eu estava um pouco ausente devido à grande missão de enfrentar as dificuldades (e quantas dificuldades eu encontrei) e fazer o trabalho quase solitário de divulgação do livro.

 Só não parei de forma alguma, a minha dedicação profissional na qual ocupo, por que além de fazer e trabalhar onde gosto, é de minha índole herdada dos meus pais, fazer e zelar um bom trabalho, então nessa parte eu não possuo nenhum déficit. (Graças a Deus).

 Mas o que quero dizer?

 As expectativas não foram como eu pensei. Senti-me frustrado?

 Mas é aí que está. Não me senti frustrado. Aprendi como ter tesouros. 

 Sempre acreditei que não é culpa de ninguém. De todas as minhas tentativas em alguma situação para divulgação ou mesmo a venda do livro não superava a expectativa, no final, eu falava a mim mesmo - Não é culpa de Ninguém - e tenho até meu amigo que testemunhou e ouviu em certa ocasião. 

Não é culpa do Brasil que entre a década de 80 a 90 as pessoas com aprendizado médio não tinham o grande hábito da leitura (eu estou incluso nessa estatística). Por que nos tempos dos meus pais, o livro era o que representa a Internet hoje, era a ponte para o mundo, para acontecimentos, a busca pelo conhecimento, aprimoramento intelectual e novidades.  O perfil de pessoas que gostam de verdade de uma leitura é de todas as idades, o que muda é como elas entram no mundo da leitura. No meu caso, FELIZMENTE foi por necessidade, o que virou uma preciosidade sem tamanho...

 Gosto de mencionar as três coisas que agradeço diariamente, aprender a ler e escrever, ter carteira de motorista e aprender a manusear um computador conectado à Internet. Assim, me sinto totalmente independente.

Mas também não é culpa da Internet, por que sem ela, eu não estaria escrevendo esse artigo, que poucas pessoas com hábitos de ler blog’s vão chegar a ler totalmente. E devem esperar a minha resposta pessoal: De quem é a culpa?

 Ah, culpa das Editoras? Nem pensar. Está certo que editoras são empresas responsáveis que não podem investir pesado em algo que não possa dar retorno seguro, assegurando emprego a milhares de pessoas. Definitivamente, não é culpa da editora. A cada minuto brota um novo e talentoso artista... É muita gente para poucas empresas na área. E o mercado editorial no Brasil é pequeno, eles têm direito de escolher quem deve ser escolhido para a máquina funcionar. Para isso precisa ter lucro. 

 De ninguém. O Brasil é repleto de talentos de todas as artes, temos muitos talentos ocultos, que talvez nem a própria pessoa saiba que tem. Conheci pessoas talentosas, compositores, poetas, artesãos, todos no seu anonimato e felizes. Mais felizes ainda quando alguém saboreava sua obra. O olhar de uma pessoa talentosa quando sendo observado positivamente, equivale ao primeiro olhar da mãe ao filho que acabou de nascer. É lindo.

 Mas tenho que colocar culpa em alguém? Ta bom, eu coloco, Ok!?!?

 Não necessariamente alguém. Mas a ocasião. A culpa é a falta de oportunidade, e um pouco a falta de sorte. Por que perseverança, todos tem, quando querem chegar em algum lugar, muitos desistem no meio do caminho, por motivos particulares, ou mesmo, infelizmente, desmotivados (responsável pelo óbito artístico).

 Então, eu culpo a minha situação pela falta de oportunidade e sorte?

 Não! Claro que não.

 Recordo uma vez que vi um filme, onde um talentoso médico e um artesão analfabeto (Quase Deuses) o médico entre seus colegas, debatendo um assunto, onde todos disseram que seria impossível o que ele estava prestes a realizar. Recordo muito bem e é dele a palavra que uso e usarei.

 “Onde você vê dificuldade, EU vejo oportunidade.”

 De todas as dificuldades que tive, eu aprendi o que não se aprende na teoria, a experiência você não aprende nem na melhor universidade do mundo, nem em lugar nenhum. E como eu aprendi. Aprendi a ser mais tolerante (já era demais, dobrei) aprendi a ter paciência (isso sim, é algo novo na minha vida) e aprendi que no que acredito, não devo deixar de ter fé. JAMAIS.

 A vida realmente é uma escola, o Tempo é o professor, e seu sonho é o mérito do diploma que depende mais de você, do que propriamente a sorte e a oportunidade.

 Fecho essas palavras, para dizer que o que todo mundo já está cansado de ler. EU NÃO DESISTO.

 Enquanto houver dificuldades, falta de esperança e desmotivação, estarei aqui... Lutando.

 Agora você deve estar se perguntando? Será que ele não está conseguindo vender seus livros, por isso escreveu isso?

 A resposta é não.

 Foram feitas mil tiragens.

 21,3% já foram entregues para os leitores de todo o Brasil (2 exemplares no exterior), somente em redes virtuais que pesquiso e trabalho, contando apenas com a minha persistência quase solitária e virtual. (tem um álbum no site de relacionamento ORKUT onde algumas pessoas fizeram questão de mandar foto com o livro, sinal de reconhecimento que jamais esquecerei)

 9% pela empresa patrocinadora Bankers que faz um belo trabalho em Belo Horizonte, onde a única e exclusiva responsável atende pelo nome de Sheila.

 1,2% com parceiro como Laranja Lima (Luminárias) e D’arte Café Lavras

 3% pessoalmente. Sim, carrego o livro comigo.

 Detalhe: isso tudo em apenas 4 meses.

 Agora, me diz: é para desistir, ou tentar?

 Dedico esse texto aos que pensam em desistir dos seus sonhos.

 Hei você, vai desistir do seu sonho? 

(se a resposta for sim, volta no começo desse texto e releia.) – Viu como sou teimoso.

 

Te Abraços

 

Confie em mim e peço que acreditem, eu chego lá, mas não chego sozinho

Juliano Gouvêa

 

 (Texto sujeito a alteração gramatical e ortográfica)

 

4 comentários:

LIANA disse...

Ju, adorei e concordo com vc, fácil seria ficar parado e colocar a culpa em coisas e pessoas. Mas não , vc não pode desistir nunca até pq tem pessoas assim como eu que acreditam no seu trabalho.
Parabéns!
bjus LIANA ou LIAA

Ana Cleide disse...

Ju, depois de fazer a leitura desse texto, refleti bastante e até peguei nos meus fragmentos de textos do livro infantil que comentei com você.
Quem sabe não volto ao projeto? E o torno realidade,já fiz um filho, plantei várias árvores, agora o livro que é bom ainda não aconteceu.rsrsrs
Parabéns por sua luta e aproveito para mandar um Bibliobeijão no seu coração.Sucesso querido, você merece.

Vanessa disse...

É isso aí amigão...desistir jamais! Sou sua fã e aguardo ansiosamente o próximo livro! Beijão e muito sucesso sempre!

André Ferreira disse...

Ju...
Muito bom...
Gostei demais o texto e a única coisa que posso dizer é... SIGA EM FRENTE.

Uma frase que li uma vez e que me marcou bastante foi... "NOSSO SONHOS SÃO FEITOS DE ACREDITAR" (Mágico Renner)

Para quem quiser ver o vídeo sobre não desistir dos sonhos e o quanto os sonhos são importantes, peço que assistam esse vídeo aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=vxZ1ZVtzGwg

Garanto que a vida de muita gente que assistir, vai ficar diferente.

Bom...

PARABÉNS JÚ.

Um mega abraço do seu PRIMÃO...

André FERREIRA